Arquivo | Como assim?! RSS for this section

AMADO PELO POVO #SQN

 



PUBLICIDADE




Anúncios

COMO ASSIM?! INCESTO NO BBB18?!

No primeiro dia de exibição do BBB18, reality show exibido na TV Globo, o programa já choca os telespectadores com um caso de incesto.

A edição do programa deste ano tem várias pessoas da mesma família, de sobrenome Lima.

O pai Ayrton Lima, 56, na primeira festa trocou um longo beijo (selinho) com a filha Ana Clara, 20.

Depois, em outra cena, com toda a família no quarto e o pai aprece deitado sobre a filha fazendo alguns movimentos com o quadril que chamou atenção do público, por serem movimentos semelhantes a um ato sexual.

O pai passa a mão nas partes íntimas da filha, durante um banho de piscina.

Ayrton também fita longamente a filha Ana Clara trocando de roupa.

As cenas incestuosas foram reprovadas nas redes sociais e o assunto ficou em primeiro lugar nos trending topics do Twitter com a hashtag #forafamílialima.

Assista as cenas aqui.



PUBLICIDADE


COMO ASSIM?! Fundador do MBL deu um empurrão na carreira de Pabllo Vittar

O que o cantor pop Pabllo Vittar e o Movimento Brasil Livre (MBL), da direita conservadora, têm em comum? À primeira vista, nada. Pouca gente sabe, porém, que um dos fundadores do MBL, o publicitário Pedro D’eyrot, foi quem deu o “empurrão” inicial para alavancar a carreira da drag queen.

No fim de 2014, Pabllo Vittar já tinha uma carreira artística em Uberlândia (MG), onde ainda mora. Mas ainda estava longe de ser conhecida nacionalmente, e de atingir os números impressionantes que tem hoje: 6,1 milhões de seguidores no Instagram, 4 milhões de ouvintes mensais no Spotify (aplicativo de música), e mais 1,7 milhão no Facebook.

Ainda em 2014, o publicitário Pedro D’eyrot, 34, estava começando a deixar de lado a cena musical pop e a banda “Bonde do Rolê”, da qual fazia parte, para participar da fundação do MBL. O grupo ocupou o posto principal de mobilizador dos protestos que resultaram no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Hoje tem 2,5 milhões de seguidores no Facebook.

Muito antes de Dilma Rousseff deixar o Palácio do Planalto, em 2015, Pedro D’eyrot “apresentou” Pabllo Vittar ao produtor musical Rodrigo Gorky, 37. Gorky produziu as primeiras faixas de Pabllo que “bombaram” nas redes sociais. É o caso de Open Bar, uma versão do hit Lean On, do grupo americano Major Lazer. A música saiu em outubro de 2015 e soma 54 milhões de visualizações no YouTube.

“Ele (Pedro D’eyrot) estava indo para o MBL e eu queria continuar na produção musical. Aí ele me mostrou o Instagram (da Pabllo). Ele disse: ‘Você está sempre vendo o Ru Paul (do reality show Ru Paul’s Drag Race), talvez funcione para você (produzir o Pabllo)”, conta Gorky sobre o episódio. “Tudo que existe de contato entre o Pabllo e o Pedro é isso”, frisa.

“Pabllo sempre correu muito atrás das coisas. É uma pessoa persistente, que não se abatia com um não, que estava fazendo acontecer. No momento que a gente começou a trabalhar ele já estava fazendo acontecer”, diz Gorky, que continua produzindo Pabllo. Naquela época, conta o produtor, o artista já fazia shows semanais em Uberlândia e cidades próximas. “Tinha um potencial ali que não estava sendo trabalhado ao máximo”, conta o produtor musical.

Além do Bonde do Rolê, Gorky já tinha produzido a Banda Uó, nessa época ainda junto com Pedro. Os dois também moraram juntos em Curitiba (PR) por três anos, antes de se mudarem para São Paulo (SP). Um dos integrantes da Uó, Matheus Carrilho, contracena com Pabllo no clipe de Corpo Sensual (2017).

Contradição?

Pedro D’eyrot não vê qualquer contradição entre ser um dos líderes do MBL – que defende posições conservadoras e liderou prostestos contra a exposição “Queermuseu” – e ter dado o “empurrãozinho” na carreira de Pabllo, ou de ter integrando o Bonde do Rolê, que fez sucesso com o público LGBT.

Hoje, ele diz que “diverge politicamente” dos ex-colegas de banda como Gorky. “Mas não deixamos de ser amigos”.

O MBL, diz Pedro, não teve nenhum envolvimento em um episódio no qual o canal de Pabllo no YouTube foi hackeado, em agosto passado. “Foram uns bolsominions (seguidores do deputado e presidenciável Jair Bolsonaro, do PSC-RJ) que fizeram aquilo, não nós. Seria contrário aos princípios do MBL fazer isso. Eu até conversei com o Gorky na época, ofereci ajuda para tentar identificar quem fez”, conta.

Em entrevista recente à BBC Brasil, Pabllo disse que este episódio e outros ataques não o intimidam. “Tô vacinado contra ataques, tenho meus fãs me apoiando, meus amigos, minha família. Podem falar o que quiser, mas não vamos nos calar, não. Vou continuar fazendo meu trabalho”, afirmou.

O artista disse esperar, porém, que o país amadureça e respeite a individualidade de seus cidadãos.

E o protesto contra a exposição “Queermuseu”?

“O MBL não é contra a arte, a nudez, etc. O MBL se pronunciou contra coisas específicas: primeiro o fato de haver um aspecto criminal ali, do edital do BNDES (que patrocinou a mostra) prever que fossem feitas visitas de escolas, para ver um conteúdo adulto; e depois o fato de usar dinheiro público. As pessoas que estavam custeando a exposição por meio dos impostos resolveram boicotá-la”, diz Pedro.

“Coisa totalmente diferente é o Pabllo tocar para o público dele, que vai ao show por vontade própria e pagando do próprio bolso. Não temos nada contra isso”, diz o publicitário.

“Leis da viralização”

“As duas coisas (MBL e Pabllo) são fenômenos da internet. Obedecem aos mesmos princípios. Estão sujeitas às mesmas leis de viralização e afinidade ideológica”, diz Pedro D’eyrot.

“Quando eu vim para o MBL, e para a campanha do Paulo Batista (candidato a deputado estadual pelo PRP-SP em 2014, produzida por ele e Renan Santos) o desafio era esse: o que dava certo para divulgar uma banda (como o Bonde do Rolê a Banda Uó) dá certo para divulgar uma ideologia política?”, D’eyrot acha que sim.

“Tanto o artista quanto a ideia política existem porque tem esse poder de propagação. Faz parte das boas ideias, dos bons artistas e das boas histórias serem apreciadas em conjunto, por muita gente”, diz.

Fonte: BBC

Abre o olho, Brasil! Não se deve embarcar em qualquer movimento desses do tipo MBL, eles fazem de tudo, até se declaram conservadores pelo poder.

 “O diabo pode citar as Escrituras quando isso lhe convém.”
William Shakespeare


PUBLICIDADE


Como assim?! Sudário ambulante? Será que ouvimos direito?

As discípulas de Inri Cristo lançaram uma versão da música ‘Despacito’, do cantor Luis Fonsi com o rapper Daddy Yankee.

A versão é cantada em espanhol (?) pela desafinadíssima discípula Assinoê, que também é a autora da versão  musical.

Com expressões como, “sudário ambulante”, versos de exaltação a Inri Cristo, “Você é a cura para todo mal. Uma bomba atômica que não é fatal” e um galo que rouba a cena, o “clipe oficial” foi lançado na internet, confira (ou não).

COMO ASSIM?! Dilma vai acampar com o MST em Porto Alegre

A ex-presidente Dilma Rousseff já confirmou que vai participar da abertura de uma vigília no Parque Harmonia, em frente ao TFR-4, em Porto Alegre, no dia 23 de janeiro, um dia antes do julgamento do recurso que poderá confirmar a condenação de Lula da Silva.

A ex-presidente pretende montar barraca em acampamento do MST para ficar mais perto dos protestos contra a Justiça em prol do condenado Lula da Silva, o que os petistas estão chamando de onda vermelha.

O MST promete fazer uma guerra nas ruas de Porto Alegre e Dilma Rousseff fará o papel de escudo para os integrantes do “exército de Lula”.

 

 

Coreia do Norte lança seu “iPad”

Ryonghung iPad é o nome do tablet que será lançado por uma companhia estatal da Coreia do Norte.

O apetrecho terá um dicionário e mais de 40 aplicativos instalados de fábrica.

O ‘iPad’ norte-coreano será fabricado pela empresa Myohyang, possui 1 GB de memória RAM, 8 GB de armazenamento interno, um leitor de livros eletrônicos, um dicionário e mais de 40 aplicativos pré-instalados, incluindo um de nome Bom Doutor 3.0, que ajuda a diagnosticar doenças.

Bom Doutor?! Como assim?! 💁🏻

A publicidade do produto veiculada na internet contrasta com o seu nome nada original porque faz questão de ressaltar que o aparelho em nada lembra os produtos da Apple.

Seria cômico, se não fosse trágico.

 

Danilo Gentilli enviou o cheirinho do seu saco por sedex para a comunista Maria do Rosário

Danilo Gentili recebeu uma notificação por sedex da comunista Maria do Rosário, pegou a mensagem oficial da Câmara dos Deputados, esfregou em suas partes íntimas e enviou de volta para a comunista.

“Para Maria do Rosário e para qualquer outro deputado, de qualquer outro partido: Eu que decido se você cala ou não a boca – nunca o contrário”, disse Danilo.

A deputada comunista agiu para censurar Danilo Gentilli nas redes sociais e recebeu a resposta.

Ao assistir o vídeo tentei ficar de pé para aplaudir, mas não consegui porque cai no chão e estou rolando de rir até agora.

HUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUA!

O inusitado Donald Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez uma inusitada ‘ultrpassagem’ pelo primeiro-ministro de Montenegro, Dusko Markovic, nesta quinta-feira (25/5), durante um encontro de líderes mundiais na sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), em Bruxelas.

Assista ao vídeo.

Vídeoclipe de Mallu Magalhães não é racista

Quem viu racismo no vídeoclipe da música Você Não Presta, de Mallu Magalhães, precisa de tratamento, é um doente mental, não há outra explicação.

O vídeoclipe não é racista, racistas são os doentes que viram racismo no trabalho.

Dançarinos negros, besuntados de óleo para ressaltar a beleza e o brilho de seus corpos, dançando atrás de uma grade não faz deles macacos, como sugerem os doentes que veem racismo em tudo, até na coca-cola quente.

Mentes doentes que precisam de tratamento.

O vídeoclipe é lindo, a música é muito boa e cheia de ginga, raridade no mercado musical brasileiro, cada vez mais carente de bons artistas e de bons trabalhos.

%d bloggers like this: