PEN/Patriotas pretende retirar a ação do partido que questiona no STF a prisão em segunda instância na ADC-43 | PEN/Patriotas a mais nova linha auxiliar do PT

O presidente nacional do PEN/Patriotas, Adilson Barroso, disse que pretende retirar a ação do partido que questiona no Supremo Tribunal Federal a prisão em segunda instância na Ação Declaratória de Constitucionalidade – ADC-43.

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo, pretendia levar o pedido de liminar na ação do PEN para deliberação do plenário na quarta-feira (11/4) e disse que só não levaria se o autor desistisse da ação.

O partido pretende destituir o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, e constituir outro. “Como agora está servindo para o Lula, aí todos estão contra, portanto eu também estou tentando retirar essa procuração que dei para o Kakay”, disse o presidente nacional do PEN/Patriotas.

O advogado conhecido como Kakay divulgou nota em que diz ter protocolado outro pedido cautelar na ação, em nome do Instituto de Garantias Penais (IGP).

Adilson Barroso tentou se defender do problema que criou: “Eu constituí o Kakay de boa fé, a pedido dele e de mais algumas pessoas que me procuraram e mostraram que na Constituição a gente tinha direito de defesa, e que milhares de pobres seriam presos após a segunda instância e poderiam depois ser absolvidos na terceira instância. Fui convencido em consultar o Supremo.”

Depois que o caso veio a público, caiu a máscara do PEN/Patriotas, o partido conseguiu ser tão rejeitado quanto o PT e já está sendo considerado como a mais nova linha auxiliar do Partido dos Trabalhadores.

O PEN/Patriotas vai morrer abraçado com o PT.

Advertisements